Irmãos de Agnaldo Timóteo pedem anulação do testamento do cantor

Uma briga judicial está sendo travada na Justiça pelos bens do cantor Agnaldo Timóteo. O motivo da disputa é o testamento deixado pelo artista no qual ele destina metade do total de seus bens, avaliados em R$ 16 milhões, para a filha de criação, Keyty Evelyn, de 14 anos. A menina foi criada pelo artista desde os 2 anos de idade e é a maior herdeira.

Ainda de acordo com a vontade do cantor, a outra metade ser divididos entre dois afilhados. Agnaldo nomeou como inventariante e também tutor da menina o advogado, Sidney Lobo Pedroso. Keyty não chegou a ser adotada oficialmente, enquanto o artista ainda estava em vida. Em 2020, após sofrer um Acidente Vascular Cerebral (AVC) e ficar internado em um hospital, em São Paulo, ele solicitou ao amigo e advogado que o processo de adoção fosse formalizado. O processo foi iniciado em janeiro. “Preciso legalizá-la para que ela seja Keyty Evelyn Timóteo. Ela já tem um documento como minha herdeira, mas quero que ela seja minha filha oficial. Gostaria que você providenciasse tudo. Ela é a razão da minha vida”, disse o cantor.

A irmã do artista, Ruthinete, assim como outros irmãos, pediram a anulação do testamento sob a alegação que Agnaldo estava confuso quando manifestou o seu desejo sobre a partilha de bens. Ela pediu que fosse nomeada inventariante, mas a Justiça negou o pedido.

Publicidade
Publicidade
Publicidade